Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-04-2017
Jornal Online

SECÇÃO: Património


foto

Ainda a palavra "Ermesinde" (4)

Como a anterior e com origem nas proximidades de Carcassonne, encontra-se a localidade de Narbonne, também nas franjas dos Pirinéus do lado francês e também próximo de Toulouse. Esta é a terceira Ermesinde da lista, Ermesinda de Narbonne. Não nos podemos esquecer que de ambos os lados da fronteira o povo é o mesmo1 - godo. Passemos agora à descrição:

ERMESINDA OU ERMESENDA DE NARBONNE

ESCUDO SENHORES DE NARBONA
ESCUDO SENHORES DE NARBONA
Desta senhora, não existem muitas crónicas, pelo que vamos tentar coligir a máxima informação possível, sobre a sua pessoa.

Narbonne ou Narbona é uma povoação situada a cerca de 80 km ao sul de Montpellier, na Provença francesa. Ermesinda, também chamada de "Armesen", "Armesenda de Narbona", estima-se que tenha nascido pelo ano de 1128, em Narbonne, Aude, Languedoc-Roussillon, França, e que tenha falecido no dia 7 de Janeiro de 1177, e está sepultada em Huerta, Espanha. Era filha do visconde de Narbonne, Aymeric II (1107-1134), filho mais velho de Visconde Aimeric I e de Mafalda, viúva de Ramon Berenguer II de Barcelona, e da sua segunda esposa também de nome Hermensinde, Ermesinda ou Ermesenda, que terá nascido em Toledo, Castela pelos anos de 1058, não se sabendo a data exacta do seu falecimento, mas que terá sido por volta de 1118. A sua meia-irmã, Ermengarda, (filha da primeira esposa de Aymeric II), que herdou o condado de Narbonne.

Esta Ermesinda, casou com ManriquePerez de Lara, de quem teve um filho chamado Pedro Manrique de Lara, a quem a sua tia deixou o condado de Narbonne, em 1192, quando se retirou para Perpiñán, onde morreu anos mais tarde.

O património deste Pedro Manrique de Lara era extenso, dos dois lados da fronteira de Espanha e França. Hipotecou e vendeu imensas propriedades, tendo sido posteriormente acusado de mau administrador.

Para além, deste Pedro, que casou com Sancha, infanta de Navarra, foram também seus filhos: Aimeric III, visconde de Narbonne, com registos pelo ano de 1140; MiliaManrique de Lara, que viveu pela mesma época de 1140, e casou com Gomez Gonzalez de Manzanedo; GuillelmoManrique de Lara, que foi visconde de FenolletBeatriu de Roseló; Elvira Manrique de Lara, que casou com o conde de Urgel, Armengol VIII e posteriormente com Guillem de Cervera, senhor de Juneda; MayorManrique casou com Gomez Gonzalez; Maria Manrique de Lara, que casou com o senhor de Vizcaya, Diego Lopez de Haro; e, ainda, Sancha Manrique; e, Hermengarda Manrique.

NOTA: Depois da recolha destes dados podemos concluir, como a anterior, está muito longe de poder ter a ver com o nome da nossa cidade de Ermesinde. Pois para além de ter vivido, em época muito diferente, poderemos aquilatar que quanto à época que viveu Ermesinda de Narbonne, o nome de Ermosindi, com referência a esta localidade já era conhecida á quase duzentos anos.

Na próxima crónica irei falar sobre Ermesenda Gatones (de Bierzo).

Bibliografia

MIGRAÇÕES BÁRBARAS
MIGRAÇÕES BÁRBARAS
Albertí i Casas, E. (2007). Dames, Reines, abadesses, 18 persanalitats femenines a la Catalunya medieval. Barcelona: Albertí Editor.

Caille, J. (1995). Ermengarde, vicomtesse de Narbonne (1127/29-1196/97). Une grande figure féminine du Midi aristocratique. In 1.-1. o. Actes du 66º congreso de la Fédération historique du Languedoc méditerranéen et du Roussillon (Narbonne, La Femme dans l'histoire et le sociét´meridionales (siglos IX-XIX) (pp. 9-50). Montpellier.

Cheyette, F. L. (2001). Ermengarda of Narbonne and the World of the Troubadour.Ithaca: Cornell University Press.

Gil i Roman, X. (2004). Diplomatario de Ermesèn, condesa de barcelona, Girona y Osona (c.991-1 de ,arzo de 1058) (http://www.tdx.cat/TDX-1124104-170009/ ed.). Barcelona: Departament de Ciències de l'Antiguitat i de l'Edat Mitjana de la UAB.

Jubany, M. S. (2005). Catedral de Girona. Girona: Edicions Aldeasa.

Marínez Díez, G. (2005). El Condado de Castilla (711-1038): la historia frente a la leyenda. Valladolid: Comunidad Autonoma.

Sobrequés, S. (1985). Els grans comtes de Barcelona (4ª ed.). Barcelona: Ed. Vicens-Vives.

1 Os visigodos assinaram com Roma tratados de auxílio, e prestaram uma ajuda eficaz a Roma até 395, no apaziguamento das revoltas de várias tribos. Posteriormente, e quando começaram a mudar-se para oeste, entrando nos limites do Império pressionados por outros povos incluindo os Hunos.

Com o acordo do império romano, o rei visigodo Ataúlfo estabeleceu-se, com seu povo, no sul da Gália (atual França) e, em 418, firmou com o imperador bizantino Constâncio um tratado pelo qual os visigodos se fixavam como federados (aliados) na Gália. Tendo sido convidados várias vezes pelos romanos para apaziguar as revoltas na Hispânia acabando por expandir o seu reino para essas terras.Formou-se assim, o Reino Visigodo de Toulouseou Tolosa(sul da França atual). A monarquia visigoda consolidou-se com Teodorico I, que enfrentou os hunos de Átila na batalha dos Campos Cataláunicos. Em 475, o rei visigodo Eurico declarou-se monarca independente do Reino Visigodo de Toulouse, que incluía a maior parte da Gália e a Hispânia.

Por: Carlos Marques

 

Outras Notícias

 

este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
© 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.