Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-05-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 31-01-2017

    SECÇÃO: Saúde


    foto

    Tuberculose: Distrito do Porto é das zonas com mais casos

    A tuberculose é uma doença provocada por um microrganismo, mais concretamente, uma micobactéria (um género de bactéria chamada Mycobacterium tuberculosis complex, também conhecido por bacilo de Koch).

    A tuberculose constitui uma preocupação a nível de saúde pública, fazendo parte do grupo de doenças de declaração obrigatória. À data, Portugal encontra-se inserido no grupo de países de baixa incidência desta patologia, tendo mesmo a DGS comunicado que o número de casos novos de Tuberculose foi inferior a 20 por cem mil habitantes, em 2015. Devido à diminuição da incidência, a vacinação contra a tuberculose, vacina BCG, administrada à nascença e conhecida pela cicatriz, habitualmente no braço esquerdo, deixou de estar contemplada pelo Plano Nacional de Vacinação. A vacinação não previne todas as formas de tuberculose, mas sim as formas mais graves e atualmente está indicada somente a grupos bem definidos e considerados de risco.

    A área abrangida pelo Distrito do Porto, é das zonas de maior incidência do país. A tuberculose está na maioria das vezes associada a zonas com maior carência económica e a condições habitacionais, sanitárias e de vida desfavorecidas. Porém, em favor da sua forma de transmissão, pela tosse ou pela fala, esta doença não escolhe estratos sociais. Habitualmente a pessoa doente com tuberculose, quando ainda está numa fase de contágio, pode infetar as pessoas que contactam consigo de forma muito frequente, como os familiares, amigos e/ou colegas de trabalho. O risco de infeção torna-se muito maior quando se tratam de crianças ou de doentes imunodeprimidos (com as defesas imunitárias comprometidas). Esta doença atinge principalmente os pulmões, porém pode atingir qualquer órgão do corpo, como os ossos, coração, gânglios entre outros.

    Tem importância fazer a destrinça entre a "tuberculose doença" e a "tuberculose infeção". A primeira inflige sintomas no doente e tem cura; a segunda significa que a pessoa contactou com a micobactéria da tuberculose e esta encontra-se no seu organismo "adormecida", porém não se encontra com doença, tendo na mesma de ser tratada para não a vir a ficar doente.

    DOENTE

    COM TUBERCULOSE

    Quando a pessoa está doente com tuberculose pode apresentar queixas de tosse de longa data, com meses de evolução e por vezes com expetoração com sangue, perda de apetite, perda de peso e suores noturnos.

    A tuberculose tem cura, embora o tratamento seja específico e prolongado, uma vez que a micobactéria é difícil de matar, sendo no mínimo necessários 6 meses de tratamento e em alguns casos podendo ultrapassar os 12 meses. Devido à importância deste tratamento e no sentido de erradicar esta patologia, a toma da medicação tem de ser feita diariamente em unidades de saúde indicadas, nas quais um profissional de saúde observa a toma da mesma. No sentido de prevenir que o doente transmita a doença a outra pessoa, este até indicação médica contrária, deve permanecer em casa e não contactar fisicamente com pessoas fora do seu ambiente.

    CONTACTO

    COM TUBERCULOSE

    As pessoas que contactaram de forma regular ou são conviventes de um doente com tuberculose devem obter aconselhamento médico, de forma a descobrir a necessidade de realizar o rastreio de infeção. O rastreio pode ser feito no CDP (centro diagnóstico pneumológico) da área de residência ou pode aconselhar-se com o seu médico de família que o orientará.

    O rastreio efetuado assenta numa história detalhada do estado clínico da pessoa, numa radiografia do tórax, de forma a excluir doença ativa nos pulmões, numa análise do sangue e de um teste na pele, chamado de teste de Mantoux. Se o rastreio for positivo significa que a pessoa tem a micobactéria adormecida e que esta não está a causar doença, porém é necessário fazer medicação em casa de forma a prevenir que a mesma evolua para doença.

    De certo que ao longo da vida, várias pessoas saudáveis estiveram em contacto com a micobactéria da tuberculose, mas devido à capacidade imunitária do nosso organismo este soube defender-se inativando a mesma. É necessário desmistificar esta patologia e sublinhar o sucesso do tratamento que leva à cura da mesma.

    Por: Daniela Medeiros Coelho*

    *Médica Interna de Medicina Geral e Familiar Pós-graduada em Geriatria Clínica

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.