Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-05-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 31-12-2012

    SECÇÃO: Editorial


    foto

    Tempo de Natal e Ano Novo

    Parabéns à "A Voz de Ermesinde", atingiu novecentas publicações, dizem que é um bom número, esperemos que se cumpram os seus designo de criatividade, persistência, generosidade e arte.

    Precisamos de alguma coisa que nos anime, nem que seja o valor simbólico dos números.

    Para muitos o 13 é número de sorte, mas para outros é azar, parece-me que este ano se inicia exatamente com essa duplicidade.

    Neste Natal deu para perceber como estamos cada vez mais pobres, mas mesmo assim solidários. Penso que nos espera um ano de tormentas, de contradições e angústias onde o apelo à coragem e à solidariedade vão ser uma constante.

    Nesta noite de Natal, nas diferentes aldeias que visitei, lá estavam os lenhos a arder, fogueiras enormes organizadas pelas comunidades, em princípio por rapazes que vão para a tropa no próximo ano, aí se aquece o corpo e a alma. Onde a igreja se associa a estes festejos há cânticos ao Menino no fim da missa do galo.

    Com uma noite sem chuva nem vento os lenhos arderam lentamente durante vários dias.

    Qualquer forasteiro que chega é logo brindado com um copito e rapidamente se integra na conversa daquela gente que este ano lamentava a ausência de alguns familiares que ficaram noutras terras – «este ano falta cá muita gente!…. Os tempos estão difíceis para todos!».

    Junto de uma antiga escola perguntei quantos alunos havia na terra. Resposta pronta:

    «Hoje vão seis ou sete alunos na carrinha, a escola está fechada. Quando fiz a 4ª Classe éramos 80 alunos».

    De desabafo em desabafo dei comigo a ler poesia e dessa noite lembro alguns que associei ao momento que vivemos:

    Imagem ARQUIVO/AVE
    Imagem ARQUIVO/AVE

    Sobrevivemos à guerra – sobrevivemos à paz:

    Volta e meia acreditamos que os períodos passados

    nunca mais se repetiriam

    e de facto, nunca se repetiam

    (mas seguiam-se uns após os outros)

    a infância se foi para sempre,

    não quis voltar a juventude perdida

    e ninguém prestou contas

    do nosso tempo perdido

    Falta-nos fé

    E por isso acreditávamos em qualquer coisa

    Em qualquer luta falsa,

    Mas não em luta solidária, porque cada um de nós

    Que arriscou

    Teve de lutar contra as sombras de ferro (…) (1)

    E é nesses momentos que me apetece voltar às raízes, como quem procura alimento para crescer.

    As raízes não falam. Não estão atrás. Nem no fundo.

    As raízes vão à frente. Puxam-nos para a frente. (2)

    Neste início de ano cada um tem que encontrar força e alimento para enfrentar um ano que não vai ser nada fácil.

    Aos nossos leitores, aos nossos colaboradores o meu desejo é de paz e solidariedade!

    (1) Ryszard Krynicki, tradução Henry Siewaerski, “Rosa do Mundo 2001 – poemas para o futuro”, Assírio e Alvim, Porto, 2001.

    (2) António Ramos Rosa, “As Raízes”

    Por: Fernanda Lage

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.