Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-05-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-04-2011

    SECÇÃO: Música


    O 2º Concerto para piano e orquestra Opus n83 e Si bemol maior de Brahms

    Todo este texto foi escrito enquanto ouvia o 2º Concerto de Brahms com a orquestra do Concertgebouw de Amsterdão, dirigida pelo maestro Bernard Haitink e ao Piano Claudio Arrau, numa gravação em vinil, embora também aconselhe a gravação pelo pianista Rudolf Serkin e a orquestra de Filadélfia dirigida por Eugene Ormany.

    Johannes Brahms
    Johannes Brahms
    Lembram-se da cena inicial “Música no Coração”? Julie Andrews, no papel de Maria aparece entre montanhas ora altivas, aconchegadoras, ora severas, deixando-se levar por caminhos de plena liberdade, com seu coração palpitante na verdejante vista. Um claro, simples e sereno quadro de felicidade se vislumbra nessa cena.

    É este o sentimento que me invade quando oiço o início do 2º Concerto para piano e orquestra, Opus 83 e Si bemol Maior, de Johannes Brahms - 1833 Hamburg, 1897 Viena.

    O 1º andamento, um “Allegro non troppo”, começa com um chamamento longínquo das trompas a que responde o piano com uma subida calma sozinho, como que imitando as primeiras.

    Este diálogo será, pouco depois, interrompido pelo pianista com uma fúria abrasadora tal que põe a descoberto uma impaciência romântica, um fogo que precisa de explorar e comunicar, até que chega a um pico – um dos muitos cumes que encontramos em tantas montanhas juntas ~ e logo de seguida a afirmação pela orquestra da tonalidade principal do concerto. Esta, já noutro carácter, mais encantatório, revela-se no mesmo tema inicial, como que se nunca tivéssemos de lá saído, como se entrando na casa dos Von Trapp nos mantivéssemos dentro do campo. Sempre com o piano em grande sensibilidade e virtuosismo.

    A multiplicidade neste concerto de relações motívicas, temas, orquestração muito bem feita, a disposição dos momentos de maior apogeu da orquestra e do piano, as surpresa harmónicas, o lirismo e a impaciência sempre em constante diálogo e combate.

    A conjugação da clareza clássica, da exploração muito barroca de diversos estados de alma e das belíssimas melodias – como não lembrar as declamações ao rubro de amor no 2º andamento “Allegro appassionato”? – e das passagens super virtuosas é inigualável.

    E que dizer da elegância do 4º andamento, descrito pelo compositor como “Allegretto grazioso - Un poco più presto?”

    A minha adoração por este concerto teve mais um momento de deliciosa e poderosa audição no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, numa sala bem composta de público, bonita e com boa resposta sonora do que é tocado no palco para o público.

    Arcadi Volodos
    Arcadi Volodos
    Foram intérpretes a Orquestra Gulbenkian, dirigida pelo Meastro Lawrence Foster, com o pianista Arcadi Volodos.

    Foi um prazer poder ouvir uma excelente orquestra muito bem dirigida, com um pianista muito bom, com uma facilidade técnica incrível, aliada a uma sensibilidade e noção do conteúdo musical até ao mais ínfimo pormenor. Só foi pena notar alguma indiferença, nalguns momentos de maior exaltação, por parte da orquestra, com entradas um pouco fora do contexto por parte de alguns instrumentistas de sopro e pela chefe do naipe de violoncelos, que no 3º andamento – com indicação “Andante - Più adagio” – preferia revelar toda a sua excentricidade e valor, como se nada mais existisse, ficando o piano sem qualquer poder. Um andamento todo ele passado no quadro do 1º, mas agora estamos sentados, a reflectir sobre nós próprios.

    E o extra? Delicioso: de Alexander Scriabin “Feuillet d?album” op. 45/1, mesmo sendo extremamente difícil de captar a atenção do público depois de um concerto tão intenso, que dura aproximadamente 45 minutos.

    Fico com a sensação de vida plena sempre que acabo de ouvir este concerto. É música profunda e inexplicavelmente cinematográfica. Quanto mais se vive e se conhece melhor a música erudita, melhor se apreende este imenso manancial de emoções que Brahms nos oferece. É uma obra de arte muito bem polida e que não me canso de ouvir vezes sem conta.

    Por: Filipe Cerqueira

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.