Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-10-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-04-2010

    SECÇÃO: Cultura


    III Encontro Gastronómico de Ermesinde dedicado a 80 anos de Zeca Afonso

    A Confraria Gastronómica de Ermesinde promoveu, no passado dia 10 de Abril, no restaurante do Parque Urbano de Ermesinde um jantar comemorativo dos “80 Anos de Zeca”.

    A iniciativa contou com a presença da Associação José Afonso – AJA Norte, e depois do jantar, cantaram José Afonso o cantor José Silva e Ana Ribeiro (AJA Norte).

    A poesia esteve presente, na voz de Amílcar Mendes e Ana Afonso (AJA Norte).

    O fado de Coimbra também se fez ouvir, através do grupo Sons de Sempre (vozes de Emídio Portugal e Julião Santos, a guitarra portuguesa de Rocha Ferreira e a guitarra clássica de Manuel Valdrez) e de Carlos Costa, um decano do fado de Coimbra, mas com a voz ainda muito límpida.

    Convidados pela Confraria alguns artistas – Fernando Gaspar, Idalina Dionísio, Manuel Carneiro, Onofre Varela e Zeferino Coelho – fizeram retratos alusivos a Zeca Afonso, em pintura, desenho e cartoon, cuja venda reverteu a favor da AJA Norte.

    Fotos URSULA ZANGGER
    Fotos URSULA ZANGGER
    Cravos vermelhos e poemas de Zeca Afonso em folhas volantes espalhadas pelas mesas (editadas pela Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto) davam o tom da comemoração que a Confraria Gastronómica de Ermesinde quis imprimir a este seu III Encontro.

    À entrada da sala a AJA Norte montou também uma banca com livros, CD’s e outros materiais.

    As conversas são como as cerejas e assim foi o jantar: alimento do corpo e da alma. No final, António de Almeida Santos, destacado membro da Confraria. fez uma breve apresentação do que se iria seguir e dos motivos deste III Encontro.

    De seguida, Helena Borges, da AJA Norte, recordou o Zeca e a sua disponibilidade. «Celebrar o Zeca é manter viva a sua mensagem nos dias de hoje. Afrontar os muros de que não se fala». E deu como exemplo a luta do povo sahauri.

    O Zeca faria agora 80 anos, mas o importante é permitir que, «a partir de nós o Zeca faça 90, 100, etc.», concluiu Helena Borges.

    Foi depois a vez de Joaquim Pimentel, que com o Zeca se cruzou nos tempos de Coimbra, e que recordou algumas peripécias da vida de então, testemunhadas junto dele e da sua primeira mulher, Maria Amélia.

    Por fim, lembrou um dos últimos espectáculos do cantor, e o seu tributo a Coimbra (...que eu não volto a cantar).

    foto
    Os textos de José Afonso, alguns dos muitos que ele não chegou a musicar, e as suas cantigas irromperam depois, na companhia de outros poetas, como Manuel Alegre ou César Príncipe, ali trazidos por José Silva, Ana Ribeiro, Ana Afonso e Amílcar Mendes.

    Uma comovente carta de Zeca Afonso à filha, quando estava preso em Caxias, um mimo de ternura e pedagogia foi ali recordada. Tal como um texto sobre o Zeca de Urbano Tavares Rodrigues.

    Depois, o momento de poesia à solta não veio a ser cumprido, os «espontâneos» declinaram elegantemente o convite escorregadio de Amílcar Mendes, mas o grupo Sons de Sempre, com a ameaça humorada de Emídio Portugal de que traziam reportório para toda a noite trouxe não só os textos poéticos e a música do fado de Coimbra, como também convidou para cantar um dos seus decanos, Carlos Costa:

    «Morrer é passar um dia

    Todo inteiro sem te ver...

    a poesia de Coimbra, nas suas deliciosas e típicas hipérboles, tão líricas, mas que não travaram a fractura radical que com o fado de Coimbra haveria de fazer Zeca Afonso.

    No final Paulo Esperança, da AJA Norte falou do Zeca e da importância dos afectos e da gente jovem.

    Por: LC

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.