Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-09-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-01-2010

    SECÇÃO: Educação


    O DESAFIO DA VIDA (EDUCAÇÃO & SAÚDE)

    A Intervenção Precoce – uma abordagem global

    O nosso desafio é esclarecê-lo e ajuda-lo a superar os obstáculos da vida para ser feliz. Somos uma equipa transdiscipliar e é para isso que existimos. Tem o nosso apoio em www.felicity.com.pt ou geral@felicity.com.pt

    Foto BREBCA
    Foto BREBCA
    A Intervenção Precoce (IP) é definida como «(…) uma medida de apoio integrado, centrado na criança e na família, mediante acções de natureza preventiva e habilitativa, designadamente do âmbito da educação, da saúde e da acção social (…)», Despacho-Conjunto N.º 891/99, de 10 de Outubro).

    Neste sentido, são vários os profissionais envolvidos em todo o processo da IP, entre os quais destacamos o fisioterapeuta, o terapeuta ocupacional, o terapeuta da fala e o psicólogo.

    Na Intervenção Precoce, a Fisioterapia actua sempre que existam atrasos no desenvolvimento sensório-motor. O fisioterapeuta procura desenvolver capacidades motoras através de técnicas terapêuticas de neuroestimulação e neurodesenvolvimento. Assim, a intervenção do fisioterapeuta é essencial numa fase do desenvolvimento neuro-motor em que a plasticidade do sistema nervoso central é maior e mais sensível, potencializando um correcto desenvolvimento global da criança através da estimulação de capacidades motoras adequadas à sua idade.

    Por sua vez, a Terapia Ocupacional procura responder às necessidades das crianças e suas famílias no sentido da promoção de competências, compensação de incapacidade e prevenção de problemas, para a sua integração nos contextos e áreas de ocupação. Para isso utiliza os recursos do ambiente, o aconselhamento de tecnologias de apoio e de alterações/adaptações físicas de contexto, materiais e equipamentos, técnicas terapêuticas de neurodesenvolvimento e a promoção da participação nas áreas de ocupação, da qual se destaca o brincar.

    A Psicologia na IP procura compreender a criança quanto aos seus sistemas sociais, nomeadamente a sua família, e também a criança individualmente. Algumas das principais patologias na infância são as perturbações de aprendizagem, as perturbações do desenvolvimento (como o autismo), as perturbações disruptivas do comportamento (como a hiperactividade) e os transtornos de ansiedade. A intervenção é ludoterapêutica (terapia com recurso a brincadeiras e jogos) e será focada em diferentes aspectos, dependendo da patologia identificada. Assim, a abordagem pode ser no âmbito da promoção cognitiva ou estimulação de competências, sendo sempre um trabalho realizado em conjunto com os pais e todos aqueles que interagem directamente com a criança.

    No âmbito deste tipo de intervenção, a Terapia da Fala actua ao nível das perturbações da comunicação. Estas englobam: dificuldades pré-linguísticas, linguísticas de compreensão e/ou expressão, dificuldades de adequação do padrão de comunicação ao contexto e interlocutores, alterações da fala, gaguez e problemas vocais.

    Para além das valências supracitadas, existem outras de intervenção igualmente pertinentes dependendo das necessidades verificadas em cada criança e respectiva família. Um trabalho de interacção entre os profissionais envolvidos beneficia e potencia sempre resultados melhores e mais rápidos. Por este motivo, as unidades de intervenção precoce procuram sempre que possível apresentar um trabalho de base transdisciplinar. Numa abordagem ideal, todos os profissionais envolvidos, a família e outros indivíduos (adultos ou crianças) que interagem com a criança no seu quotidiano, devem fazer parte integrante e activa do trabalho desenvolvido.

    Quando se adia a intervenção esperando que com o tempo a criança supere as suas dificuldades e/ou limitações, e se procura ajuda profissional apenas aos cinco anos, confrontamo-nos com a questão: “E se pelo menos tivesse feito uma avaliação logo quando se suspeitou do problema?”.

    Por:

    Rita Regêncio (Terapeuta da fala)

    Cristina Camacho (Fisioterapeuta)

    Magda Lomba (Terapeuta ocupacional)

    Joana Pinto (Psicóloga)

    Tiago Coelho (Terapeuta ocupacional)

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.