Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-03-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 20-09-2008

    SECÇÃO: Psicologia


    A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE MENTAL

    “O que os meus olhos vêem...” - Compreender a Dislexia

    Este é um espaço de reflexão e diálogo sobre temas do domínio da Psicologia, que procurarei dinamizar com regularidade, trazendo para aqui os principais problemas do foro psicológico que afectam pessoas de todas as idades.

    Na qualidade de psicóloga estou disponível para os leitores de “A Voz de Ermesinde” me poderem colocar as questões que desejarem ver esclarecidas, através de carta para a redacção deste quinzenário ou para o seguinte “e--mail”: joanapatriciadias@sapo.pt

    A dislexia é uma desordem que acomete dificuldades de aprendizagem, apesar da instrução escolar ser convencional, as oportunidades sócio-culturais e o quociente de inteligência apresentarem normalidade.

    É frequente que seja confundida com outros problemas de adaptação escolar, principalmente os de atraso desenvolvimental, dificuldades iniciais na aprendizagem da leitura e escrita, desordens afectivas, deficiência mental ligeira, entre outros.

    Sabe-se que esta desordem depende, essencialmente, de distúrbios cognitivos associados a uma origem constitucional.

    A necessidade de clarificação é fundamental para que tanto a escola como a família possam compreender este tipo de problema, de modo a que o aluno possa ser ajudado a superar as suas dificuldades. Por isso, é muito importante que os professores saibam valorizar os aspectos positivos do trabalho dos alunos.

    Importa que os educadores não ignorem esta desordem, devendo estar atentos para os potenciais sinais de alerta: dificuldades na oralidade, dificuldade de associação de sinais gráficos às suas componentes auditivas, dificuldade em seguir orientações, défices de memorização auditiva, problemas de atenção e lateralidade (dificuldade em distinguir a esquerda da direita, e vice-versa).

    É frequente a omissão de palavras e letras, bem como a troca das mesmas. Confundem, não raramente, palavras com significado concreto.

    O diagnóstico precoce é essencial no processo de tratamento desta perturbação, por isso é crucial que os professores tenham formação especializada (pois são aqueles que passam mais tempo com as crianças), assim como meios de informação acerca de estruturas de apoio para estes alunos.

    A intervenção costuma contar com uma equipa de profissionais, para que se possa intervir a diversos níveis.

    “Com uma condução adequada os disléxicos podem realizar consideráveis progressos e atingir a habilidade necessária para ler com fins práticos. Isto é, podem chegar a ser capazes de interpretar notícias, propaganda, jornais e cartas, mas é provável que continuem leitores recalcitrantemente preguiçosos” (Critchley).

    Não obstante, cada caso é idiossincrático, assim como cada indivíduo é único, não se podendo generalizar abusivamente esta afirmação. Tudo depende do grau de severidade e da precocidade de intervenção.

    Fica a referência de um manual utilitário para potenciais pais destas crianças: “Vencer a Dislexia” de Sally Shaywitz (Porto Editora).

    Por: Joana Dias

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.