Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-06-2019
Jornal Online

Zona de Debate

26-03-2009 15:50
Autor: Manuel B.
3ª idade ignorada Imprimir Responder
Declaro peremptoriamente que qualquer semelhança entre o que se segue e pessoas, coisas ou acontecimentos realmente existentes, é absoluta e pura coincidência.
Quero-me fazer ouvir. Sou um velho de 84 anos e vivo sozinho numa casa alugada. O almoço e jantar trazem-me as meninas do Centro Social. Não vejo a minha esposa há oito anos porque faleceu. Tenho 5 filhos, – quatro estão reformados –, moram todos perto de mim, e tenho 11 netos. Apenas uma única filha – a que trabalha – me visita diariamente ao fim do dia, trazendo também o seu filho, meu neto. Os restantes 4 filhos raramente os vejo. Um péssimo filho/a nunca poderá ser um bom pai/mãe. Não deixo herança para ninguém a não ser estes velhos móveis, roupas e louças. Há menos tempo e paciência para estar com os velhos. Colecciono doenças: Diabetes, coração, insuficiência renal, trombose, bronquite. Sei que sou um estorvo. Tudo no meu quarto é penumbra e solidão. Tirando aquela horinha de visita diária da minha filha e meu neto, ninguém vem cá nem que seja para falar um pouco, apenas para silenciar este silêncio. Quer dizer, a única companhia que tenho é a T.V. ligada o dia todo. O tempo passa lentamente, nu de emoções e novidades. Apenas o sono vai abatendo o tempo, a solidão e o silêncio. Por isso é que os velhos dormem muito, para fugir a esta rotina. Mas é tudo por breves instantes. Quando acordo o meu quarto serve de prisão para a doença, é o campo de concentração do sofrimento.
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades: Inutilidade, rejeição, afastamento e marginalização são os códigos a adoptar em relação aos velhos. Por isso, mudem o 72.º artigo da Constituição da República Portuguesa:” As pessoas idosas têm direito à segurança económica e a condições de habitação e convívio familiar e comunitário que respeitem a sua autonomia pessoal e evitem e superem o isolamento ou a marginalização social".

06-04-2009 16:31
Autor: Tomás
Re: 3ª idade ignorada Responder
Infelizmente há disso por este mundo fora. Eu para lá caminho e confesso que este é um dos meus medos. Sr. Manuel B. muito obrigado pelo seu comovido testemunho.Os meus sinceros cumprimentos afáveis ao senhor Manuel B.

 

este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
© 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.