Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-01-2020
Jornal Online
Últimas

07-02-2020 15:56
Aterro de Sobrado centrou atenções na reunião pública da Câmara
O aterro de Sobrado, tema que literalmente anda nas "bocas do Mundo", esteve em destaque na sessão pública do executivo da Câmara Municipal de Valongo (CMV) realizada no dia 6 de fevereiro. O assunto foi levantado ainda no período destinado à intervenção do público, por um munícipe, que ali deu conta do pânico em que vive a população de Sobrado face a este problema ambiental.

O munícipe em questão deu conta do surgimento de gaivotas mortas junto do aterro, e com isso o foco de possíveis doenças que tal cenário poderá trazer; bem como de uma informação que lhe tinha sido dada de que estaria previsto um investimento para o local, foram questões levantadas junto da Câmara.

Na resposta, José Manuel Ribeiro lembrou todo este longo tema do aterro de Sobrado, um processo de luta que é na atualidade aquele em que o autarca está mais empenhado em resolver, segundo as suas palavras.

Recordou que trava esta luta - contra o aterro - há muito tempo, dando conta dos muitos contactos/apelos que tem feito ao longo destes anos no sentido de resolver o problema, assim como do facto da autarquia se ter oposto à renovação das licenças. Recordaria os contactos com a secretaria de Estado, com os ministérios, bem como das sensibilizações junto das autoridades de saúde, ou o apelo que fez à revolta popular para se juntar a esta luta. E nesse sentido agradeceu publicamente o trabalho que a Associação Jornada Principal (criada no sentido de lutar contra este flagelo ambiental que constitui o aterro da Recivalongo) tem feito em colaboração com a CMV e com outras forças políticas, acrescentando que, e em resposta ao munícipe, a informação que lhe haviam dado quanto a um futuro investimento no local não era verdade, estava errada, já que a Câmara não autoriza o investimento que a empresa quer fazer.

«A CMV entendeu que por razões ambientais não quer ali aquele tipo de negócio», disse José Manuel Ribeiro, acrescentando que a empresa queria instalar ali um investimento ligado à questão dos resíduos mas que a autarquia se opôs. «Não temos interesse, essa atividade não é uma atividade prioritária no concelho de Valongo, por vários motivos, desde logo ambientais», referiu o autarca.

José Manuel Ribeiro deu ainda conta de que a Câmara irá condicionar a circulação de trânsito na Estrada Municipal 606 - que liga Sobrado a Alfena e que dá acesso ao aterro - com o intuito, sobretudo, de evitar cargas de resíduos não autorizados no referido aterro.
Este processo/medida está em fase de avançar «e não vai ser muito agradável para a empresa, eles vão ser obrigados a dizer quem é que circula naquela estrada», disse José Manuel Ribeiro.

Apelou a todos para que continuem a ajudar nesta luta que está a ser travada, lembrando que recentemente o Ministério do Ambiente deu nota da vontade de tomar decisões - recorde-se que no início deste mês o referido Ministério anunciou que o aterro da Recivalongo iria ser alvo de medidas corretivas -, mas «eu sou como o São Tomé, quero ver para crer, eu e a população queremos ver estes anúncios no terreno», disse.

Por:Miguel Barros

 

este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
© 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.